Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

sicblogue

Texto de opinião: "SIC - um sucesso coletivo" por Luís Marques

A SIC terminou janeiro a liderar as audiências do prime-time, registando o seu melhor desempenho nos últimos cinco anos. Foi também o único canal generalista a crescer, tendo obtido uma quota de mercado de 23,7%, contra os 22,4% em janeiro de 2012. Nos chamados targets comerciais, a SIC continuou a liderar destacada, vantagem que já vem de há muitos meses. Este resultado confirma uma tendência que vem, em particular, de todo o ano passado.

A SIC está mais competitiva, disputando a liderança absoluta das audiências em Portugal. Quando iniciámos o processo de reestruturação da SIC, colocámos como objetivo imediato atingir a liderança nos targets comerciais. Esta opção definia uma prioridade que pretendia dotar a SIC de capacidade concorrencial na disputa do investimento publicitário, principal fonte de receitas da empresa.

Esse objetivo foi conseguido ainda com o anterior painel de audiências e representou, para todos os efeitos, um primeiro ponto de viragem na disputa das audiências em Portugal.

A SIC mostrou que era possível inverter a tendência de queda e voltar a jogo. O segundo momento de viragem foi o sucesso da novela 'Laços de Sangue', que estreou a 13 de setembro de 2010. Sabíamos que a SIC só poderia ser competitiva com uma oferta competitiva de ficção. Os resultados desta novela tiveram sequência com 'Rosa Fogo' e agora com 'Dancin' Days', que é líder de audiências em Portugal, facto que a SIC não conhecia há 13 anos!

Acresce a isto uma oferta coerente, que inclui a informação preferida pelos portugueses, os bons produtos da Globo, entretenimento com a marca SIC e uma diversidade de conteúdos bem direcionados para o nosso público.

O bom momento da SIC é resultado de apostas certas, de uma estratégia correta e de um trabalho coletivo que nunca é demais reconhecer e elogiar. Sobretudo porque foi conseguido num contexto de grandes dificuldades, resultantes de um enquadramento externo muito negativo.

Luis Marques

COO da Área Editorial da Impresa