Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

sicblogue

Ano novo, nova imagem

O SIC blog neste ano promete muitas novidades... Elas virão com o decorrer do tempo. A primeira foi a mudança integral de visual. Começamos com um novo visual, um logotipo do blog renovado mas com o decorrer dos meses vamos trazes novidades sobre a SIC! A não perder.
Não perca as outras novidades que vêm por aí! SIC blog- o seu blog da SIC!
Diga o que acha deste "novo" blog!

Conceição Lino estreia dia 5 "Nós Por Cá"

A jornalista volta ao ecrã da SIC dia 5 com um ‘Nós por Cá’ renovado, no horário que antecede o ‘Jornal da Noite’ e que considera ser “dos mais importantes em qualquer televisão”.
- Nós por Cá’ volta dia 5. Que mudanças sofreu o programa?
- O programa mantém o nome mas tem um formato diferente. Vai estar menos concentrado em mim e nas reportagens assinadas por mim, como aconteceu nos últimos cinco anos, mas o espírito mantém-se. A equipa foi alargada. Temos um grupo de óptimos profissionais que vão imprimir a sua marca profissional ao programa, que continua a ser um programa interessado nas pessoas.
- Desta vez vai ocupar o horário de ‘A Roda da Sorte’, antes do ‘Jornal da Noite’. Esta alteração preocupa-a?
- Fazer um programa neste horário preocupa-me tanto como noutro horário qualquer. A partir do momento em que aceitei este desafio, o que me preocupa é fazer o melhor que sei e contar que os outros elementos da equipa façam o mesmo.
- Concorda com o horário?
- Este horário é um dos mais importantes em qualquer estação de televisão. Não tenho de concordar ou discordar. Tenho é de procurar fazer um programa de informação entre as 19h00 e as 20h00 que seja distinto dos telejornais das oito da noite.
- Que balanço faz da última temporada do programa?
- Na última temporada, tal como nas anteriores, o ‘Nós por Cá’ teve resultados excelentes. É um espaço que ganhou a adesão das pessoas enquanto espectadores e enquanto parte do programa. Durante cinco anos, em diferentes dias, teve uma audiência óptima, quase sempre liderou no horário e sempre em curva ascendente.
- Existem muitas situações que são resolvidas graças ao ‘Nós por Cá’?
- Felizmente a intervenção do ‘Nós por Cá’ resolve certo tipo de situações. Infelizmente uma pequena parte. Mas não há nada melhor do que perceber que o nosso trabalho tem consequências positivas. E dá-nos também a noção da responsabilidade. Eu trabalho a pensar que aquilo que faço serve para alguma coisa. E quando isso não acontecer deixa de fazer sentido.
- Qual tem sido a reacção dos telespectadores?
- O retorno dos telespectadores não podia ser melhor! O ‘Nós por Cá’ é, seguramente, o programa mais próximo e interactivo da televisão portuguesa. As pessoas sabem que podem contar connosco e agora ainda mais. Somos mais gente na equipa, mais gente empenhada, criativa, bem-disposta, com capacidade crítica…
- A Conceição está envolvida na selecção das histórias para o programa? É difícil escolher?
- Essas decisões têm sido minhas mas agora são partilhadas com o Augusto Madureira, que também está a coordenar o programa. Mas todos os elementos da equipa sugerem temas e abordagens. É um trabalho conjunto mesmo que tenha de haver uma decisão final. Não é muito difícil escolher. É preciso perceber até que ponto as pessoas são genuínas naquilo que dizem e depois perceber quais são os ângulos de abordagem. Com sentido crítico é mais fácil.
- Sabe dizer quantas cartas/e-mails recebem por dia?
- São dezenas de contactos por dia divididos entre e-mails, cartas e telefonemas.
- É importante existir um programa deste género na televisão?
- A minha opinião é de que faz falta, claro. O que é que justificaria eu estar durante cinco anos persistentemente empenhada num trabalho se não fosse pela importância que ele tem? Se procurar vai perceber que são raros os projectos na televisão que se mantêm durante tanto tempo regularmente. Há uma grande receptividade ao ‘Nós por Cá’ e ela é transversal – somos vistos por gente de todas as idades, de todas as condições sociais, em todo o País.
- É uma pessoa atenta às questões sociais?
- Sou, claro. Como é que poderia fazer o meu trabalho se assim não fosse? Na génese do que faço estão as preocupações com os outros, com as pessoas. Não é por acaso que o nosso lema é ‘votamos em si’. Porque é o que nós fazemos. Votamos nas pessoas, ouvimo-las, damos-lhes importância, confiamos nelas para termos um País melhor. Isso é que é a cidadania. O ‘Nós por Cá’ é um espaço de cidadania.
- O que mais a preocupa?
- Preocupa-me um País em que as pessoas não se sentem devidamente representadas e defendidas. Um País em que o mérito continua a ser desvalorizado em vez de ser o principal motor de desenvolvimento. Preocupa-me o egoísmo, preocupa-me o desperdício, preocupa-me o desrespeito pelo ambiente.
- Tenta incutir essas preocupações às suas filhas?
- Claro.
INFORMAÇÃO SIC: UMA MARCA FORTE
- Acredita que pequenos gestos podem mudar o Mundo?
- Acredito que as pequenas coisas podem fazer grandes diferenças. Os pequenos gestos podem mesmo mudar o Mundo.
- O que mudou em si desde que apresenta o ‘Nós por Cá’?
- Talvez a pergunta seja mais o que mudou em mim desde que sou jornalista. E isso é estar atento, conhecer melhor as pessoas, o País, os pequenos e os grandes poderes, os defeitos e as virtudes dos portugueses.
- A Informação continua a ser a mais-valia da SIC?
- A Informação da SIC foi, é e vai continuar a ser uma marca forte da televisão portuguesa.
- Continua a cantar jazz?
- Canto tudo o que me apetece. Sempre que posso.
PERFIL
Conceição Lino é uma das fundadoras da SIC, a primeira televisão privada portuguesa, onde começou a trabalhar em Julho de 1992. Casada com o realizador Carlos Coelho da Silva (‘O Crime do Padre Amaro’ e ‘Amália’), de quem tem duas filhas, a jornalista gosta de cantar e já actuou várias vezes ao vivo a interpretar temas de Cole Porter e de outros autores de jazz.
fonte: CM

Luís Marques reordena a SIC

Redução de custos, seguida de um rigoroso controlo orçamental, aliado a uma oferta variada, é a estratégia do novo director-geral da SIC e um dos obreiros da reestruturação da RTP "A fibra das grandes empresas nota-se é nas alturas difíceis", afirmou ao DN Luís Marques, desde ontem, 1 de Janeiro de 2009, director-geral da SIC, substituindo José Alberto Bastos e Silva, que passará a liderar o processo de reorganização das áreas comerciais da empresa. Recorde-se que Luís Marques regressou ao grupo Impresa, dona da SIC, em Janeiro de 2008, como consultor.
Instado pelo DN a levantar a pontinha do véu sobre a estratégia e os desafios que terá em mãos em 2009, o antigo administrador da RTP, com o presidente Almerindo Marques, preferiu dizer apenas: "estou optimista em relação ao sucesso da reestruturação em curso [desde há mês e meio]", reservando o anúncio das novidades para os próximos dias. No entanto, o DN sabe que Luís Marques com a sua equipa teve uma grande preocupação em repensar a grelha de programação, com especial enfoque na área da informação, marca de água da estação, materializada na SIC Notícias, por exemplo.
Assim, a SIC prepara-se para estrear Nós Por Cá, que abandona o estatuto de rubrica para ganhar autonomia enquanto programa diário, entre as 19.00 e 20.00, já a partir de dia 5, segunda-feira, apresentado por Conceição Lino. Também às segundas-feiras, a seguir ao Jornal da Noite, a SIC terá um espaço de entrevista conduzido pelo conceituado pivot da SIC Notícias Mário Crespo. O programa, ainda sem data de estreia definida, toma o nome Mário Crespo entrevista... Também sem dia definido está previsto um programa de debate.
O próprio Jornal da Noite sofrerá um enfoque editorial diferente com ajuste de actuais e novas rubricas, estabilizando na uma hora de duração. Ao nível da restante programação, destaque para o novo programa de Bárbara Guimarães Atreve-te a Cantar, uma adaptação do original Who Dares, Sings, da ITV, do Reino Unido, pela CBV, de Piet-Hein Baker.
Elogiado pelos seus pares quanto à coragem nas decisões, suportadas no seu profundo conhecimento do meio, Luís Marques terá ainda pela frente a reestruturação do grupo SIC. Neste sentido, a ideia passa por recentrar a SIC no seu core business, que é produzir e emitir conteúdos, ou seja, fazer televisão. Neste sentido há que repensar algumas das actividades, decidindo por deixar de estar presentes em algumas delas.
Tendo em conta que o próximo ano será difícil (com previsão de mercado publicitário a praticamente não crescer), o grupo de Luís Marques aposta num grande controlo orçamental, rigoroso face à capitalização de objectivos e à redução de custos em diversas áreas, nomeadamente nos recursos humanos, onde decorreu um processo de rescisões voluntárias e sobre o qual o grupo anunciará resultados brevemente.Esta reestruturação da SIC levará inevitavelmente a um novo organigrama, que se traduzirá numa maior centralização das decisões da empresa além de permitir uma maior coordenação e controlo da área de conteúdos. A própria SIC Online será integrada na área de conteúdos da SIC, sabe o DN.
Tudo isto visando, obviamente, ganhar a batalha das audiências que, não sendo fácil, a SIC tem dado sinais claros que não está disposta a desistir. É um trabalho de fundo, tal como é a recuperação da autoestima da estação. Segundo fonte ao DN, "o nível de insatisfação era muito alto, mas com o Luís [Marques], as coisas parecem estar a melhorar".
fonte: DN

"Episódio Especial" e "Fama Show" são líderes

Daniel Oliveira, coordenador de ‘Episódio Especial’ e ‘Fama Show’, está radiante com as audiências dos dois formatos: "Num ano conseguimos devolver à SIC a liderança em dois horários que, no caso dos sábados, não acontecia há dois anos, e nos domingos há três. Conseguimos corresponder às expectativas que eram muito muito altas". As apresentadoras do ‘Fama Show’ ofereceram presentes aos Gato: um chicote, um body de renda, um avental com a imagem de uma mulher em lingerie e um rato de corda.
fonte: CM

Gato Fedorento > "O balanço do programa foi muito negativo"

Os Gato Fedorento viajaram no tempo, numa máquina em tudo semelhante a uma casa de banho móvel, para comemorar a Passagem de 2009/2010, e assim ultrapassar as previsões de maior recessão para este ano, devido à crise financeira mundial.
Ricardo Araújo Pereira fez o balanço do programa que considerou "extremamente negativo". Já em relação à Passagem de Ano salienta que "o ano mudou muito bem, gostei muito desta mudança. O ano esteve espectacular".
Por sua vez, Miguel Góis tem a certeza de que "durante um ano esta será a melhor Passagem de 2009/2010 de sempre". José Diogo Quintela congratula-se com a estação de Carnaxide "pelo facto de ter entrado em 2010 a ganhar. Essa já ninguém nos tira". Tiago Dores acrescenta orgulhoso: "Nós tivemos alguns telespectadores e os outros canais zero".
Ricardo Araújo Pereira sublinha: "No final de 2009 a TVI e a RTP vão copiar a Passagem de Ano que fizemos hoje [anteontem]". Zé Diogo vai mais longe e diz que a concorrente de Queluz de Baixo "vai anunciar um programa no Campo Pequeno com caniches cantores". Quanto ao que bebeu durante o programa o humorista confessou: "Foi champanhe, mas a produção tratou de arranjar um transporte para nós," (ver apoios).
Quanto ao regresso ao pequeno ecrã está previsto para Setembro/ Outubro. "A nossa vida não é só como humoristas de televisão, fazemos outras coisas, mas vamos regressar à antena em Setembro ou Outubro", referiu José Diogo Quintela.
fonte: CM