Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

sicblogue

O Wanna Be do "Lucy"

Paulo Duarte Ribeiro. Se se disser apenas isto pouca gente se dá de conta quem será e perguntam. Mas quem é o Paulo Duarte Ribeiro. Pois bem aqui fica uma pequena explicação. Paulo Duarte Ribeiro é um jovem actor português que já fez muitos espectáculos em teatro e também já participou em novelas na televisão. Na RTP 2, na TVI ou mesmo agora na SIC este actor deu e dá a vida a personagens. No seu curriculum já conta também com publicidade durante o Euro 2004 para a RR (Rádio Renascença). Na SIC, por exemplo fez Floribella 2 e a novela Resistirei e actualmente está no programa Lucy! Mas também já fez muitas dobragens para o canal como Digimons 1 e 2, Invasão América, As Pedras Mágicas, As Aventuras de Jackie Chan entre muitas outras. Talvez agora cheguem lá mais depressa. O Wanna Be é o desafio mais recente do Paulo Duarte Ribeiro. Quem não gosta das loucuras deste cientista ou será mágico?
fotomontagem: SIC online e Colectivo Teatral

Maratona de Humor das 10h às 20h

Na quarta feira a SIC terá uma maratona de humor transmitida em directo da Casa do Artista (Lisboa). O objectivo deste programa que irá para o ar a partir das 10h até às 20h é fazer rir e como Nuno Santos disse o objectivo é fazer esquecer os problemas. Num espectáculo de 9 horas de directo (isto porque se retira o programa das 13 às 14h para emissão do Primeiro Jornal) Herman José estará a fazer-lhe uma companhia que se pode dizer divertida e que lida com o lema: O que é que o Herman vai fazer agora?.
A não perder na quarta-feira. Eu não vou perder! Faça o mesmo

Os caminhos cruzados de Maddie e Joana

Uma agência de detectives contratada pelo casal McCann cruzou os dados do desaparecimento de Joana Cipriano, em 2004, com o de Madelaine McCann, em 2007, para descredibilizar as investigações da polícia portuguesa. Esta é a convicção da Grande Reportagem SIC emitida no “Jornal da Noite” de domingo.
O trabalho é assinado pelos jornalistas Pedro Coelho e Rita Jordão, com imagem de Luís Pinto e edição de Ricardo Tenreiro.
fonte: JN