Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

sicblogue

SIC Online inova uma vez mais

Estreou esta tarde a nova barra da SIC Online. É o novo cabeçalho e substitui o antigo que apenas tinha o logotipo da estação e o dia. Este tem um sem número de coisas novas. Pode acessar directamente aos vídeos, ao widgett SIC, receber notícias em última hora, alertas para o telemóvel. Através deste ticker poderá também aceder mais facilmente aos programas da SIC, SIC Notícias, SIC Radical, SIC Mulher e SIC Internacional. Para os descobrir apenas basta passar com o rato por cima de cada um. Descubra-a agora em www.sic.pt.aeiou

Especial Rebelde Way no dia de hoje

Por motivos desconhecidos a SIC troca esta tarde o "Contacto" por "Rebelde Way". Assim sendo será um especial desta novela que vem apaixonando os jovens. A novela tem início às 16h15 sendo que irá para o ar até por volta das 18 horas. São quase duas horas de "Rebelde Way" onde não poderá perder as peripécias dos jovens actores.
foto: arquivo SIC Blog

Susana Vieira no "Fátima"

Estará no próximo domingo na Gala Anual dos Globos de Ouro a entregar um prémio no Coliseu dos Recreios em Lisboa. No entanto a actriz brasileira Susana Vieira está hoje no "Fátima" onde revela alguns segredos da sua vida e de como começou a sua vida de actriz.
Ao longo do programa apresentado por Merche Romero confessou ser fã de empadas e foi sendo surpreendida ao longo dos minutos que esteve no programa "Fátima".

Portugueses vêem mais notícias

Notícias. É este o género televisivo preferido dos portugueses a uma grande distância do segundo: as telenovelas portuguesas. Isto de acordo com um inquérito realizado pela Metris, em 2008, para o Observatório de Comunicação (OberCom). O que não deixa de ser surpreendente, tendo em conta que as audiências colocam as telenovelas nacionais nos programas mais vistos. Contudo, os noticiários não lhes ficam muito atrás e ainda há três canais de informação no cabo (SIC Notícias, RTPN e TVI 24).
Aliás, um dos pontos analisados no estudo tem a ver com a credibilidade da informação televisiva. E chega-se à con- clusão de que, em geral, é percepcionada de forma positiva, sendo que 63,9% dos inquiridos afirmam confiar bastante ou totalmente nesta fonte, enquanto 30,6% dizem que confia e apenas 5,5% optam pelas categorias de resposta "não confio nada" ou "confio pouco".
Segundo o mesmo estudo, baseado no inquérito, da OberCom, a televisão "permanece um nó central das rotinas diárias dos portugueses: 99,9% da população tem televisor, 98,8% dos inquiridos afirmam ter visto TV na semana que antecedeu a recolha dos dados e cerca de 70% declaram ver pelo menos uma hora de televisão por dia". O acesso analógico terrestre (por antena) continua a ser dominante, com 59,5%, enquanto o cabo tem 37,6% e o satélite 1,8% (outros e não sabe/não responde com 0,9% e 0,2%).
Quanto aos conteúdos televisivos em si, 78,5% dos inquiridos afirmam que a qualidade dos programas emitidos é boa ou muito boa. A mesma classificação foi atribuída por 75,2% das pessoas no que toca à diversidade da oferta de programas, e por 65,1% ao horário de transmissão dos mesmos. Em geral, as mulheres dão melhores notas do que os homens, enquanto os mais novos (sobretudo na faixa etária entre os 15 e os 24 anos) são mais críticos quanto aos conteúdos de TV.
Em termos de equipamentos, 59,8% dos inquiridos afirmam ter leitor/gravador de DVD, e 13,9% possuem um sistema de home cinema. O visionamento de programas de TV em plataformas alternativas continua a ser tímido, já que apenas 1,4% afirmam ver TV no telemóvel e 0,4% dizem utilizar o computador para ver conteúdos televisivos. Já em relação ao tempo gasto a ver TV, o estudo indica que há um decréscimo da percentagem de inquiridos que vêm mais de três horas de televisão por dia (30,7% em 2006, contra 20,7% em 2008), tendo aumentado a proporção dos que vêem uma hora ou menos. Concluiu-se também que as mulheres consomem televisão de forma mais intensiva do que os homens.
A televisão é o meio de comunicação mais valorizado pelos portugueses: quando é perguntado qual a actividade de media que seria mais difícil deixar de fazer, mais de metade (55,3%) referiram "ver televisão", seguido de usar telemóvel (25,6%), ouvir rádio (7,6%), usar Internet (6,4%), ouvir música (3,1%), ler jornais e revistas (1,5%) e jogar vídeojogos (0,5%).
Contudo, nas camadas mais jovens a imprescindibilidade da televisão diminui, face à utilização de outros suportes tecnológicos. A valorização dos vários media pelos mais novos revela diferentes padrões de consumo, sendo que na categoria entre os 15 e os 24 anos a preferência pela televisão regista apenas 25% das preferências, sendo destacadas outras plataformas, tais como a Internet e o telemóvel.

Especial Insegurança com 20,5% de share

O Especial Informação transmitido junto do "Jornal da Noite" que teve como tema a insegurança que se tem verificado no nosso país teve como apresentadora a jornalista Clara de Sousa teve uma audiência total de 8,3% de rat. e 20,5% tendo ficado fora dos cinco mais vistos sendo que ficou em 6.º lugar.
fonte: Marktest

SIC Online em 19.º lugar dos sites mais vistos

A sic.pt mantém o 19º lugar entre os sites com mais visitantes em Portugal. No mês de Abril registou perto de 1 milhão e 950 mil visitantes únicos e mais de 11 milhões de páginas vistas, um aumento de 5,6% em relação ao mês anterior. Na liderança continuam o Sapo, A Bola e o Record. Entre os sites do grupo Impresa, a que pertence a SIC, destaque também para o Expresso, no 15º lugar do ranking, e da Visão, em 42º lugar do ranking. Nos próximos meses, o site da SIC vai continuar a inovar. Estão em marcha novos projectos nas áreas de programação e de informação. Proximamente será apresentada uma renovação gráfica da homepage de informação, com o objectivo de aumentar a qualidade e a quantidade das notícias à disposição dos internautas, bem como a interactividade e a usabilidade do site. As grandes apostas, ao nível da informação, continuarão a ser o acompanhamento permanente da actualidade, o vídeo de todos os jornais da SIC e da SIC Notícias. A SIC irá também criar mais espaços interactivos, como o Consultório Contra a Crise, um programa semanal online do editor de Economia da SIC, Luís Ferreira Lopes.
fonte: SIC online