Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

sicblogue

Lia Gama em grande entrevista

Desvaloriza as rugas e dispensa saudosismos. Mãe e avó orgulhosa, define-se como mulher "independente" e "solitária". Por opção. Defende a eutanásia e diz: "Um lar? Não obrigada. Prefiro morrer."
Completa hoje 67 anos. Gosta de comemorar o seu aniversário?
Detesto! Detesto aniversários, nunca faço festas! E detesto o Natal, só celebro essas datas por causa das crianças. Detesto efemérides.
Dispensaria, então, ser homenageada pela carreira?
Há tantos colegas meus que já fizeram 50 anos de teatro, não sou para aqui caso único que ande a lutar. Não faz parte da minha maneira de estar.
Soma anos de experiência e de memórias. Dá-se bem com as suas rugas?
Durante o dia nem me lembro delas! Só quando me olho na imagem é que lá vejo a flacidez no pescoço... Mas não sou de ir à "faca". Detesto hospitais e operações. Acho muito bem que quem não está contente se submeta... Eu não estou contente, mas também não estou descontente. (risos) Assumo toda a minha vida, até os grandes disparates. Não há nada que eu omita.
Está, portanto, em paz com o seu corpo e a sua vida.
Sim. (pausa) Os amigos eram fundamentais para mim... São cada vez menos, têm-se ido embora. E eu virei um bocadinho solitária e estou solitária.
Diz sem medo das palavras "estou solitária"...
Tão solitária que prefiro viajar sozinha. Quando viajo acompanhada é uma chatice! As pessoas querem uma coisa e eu outra. Tenho de me submeter ao colectivo, que isso é a democracia! (risos) Eu sou Gémeos e Gémeos de ascendente. Sou toda ar e volátil. A uma hora quero uma coisa e na seguinte já quero outra!
A idade é ou não um peso para quem trabalha em televisão?
Se calhar não. Acho que é pior aquela fase intermédia em que não se é novo e nem se é velho. Para mim foi mais complicado a nível de trabalho nessa altura.
E quando é que isso aconteceu?
Esta é uma profissão que tem muitas travessias no deserto. É como o que se passa com as estrelas de cinema que têm sempre uma fase de esplendor... Não se pode dizer que, apesar dos períodos de crise e sem trabalho, não tenho trabalhado muito. Este é um país ingrato para com os artistas. Mas não sou nada vítima! Vivo exclusivamente do meu trabalho. Em teatro, pagam-se tostões. Felizmente que existem as telenovelas, que equilibram a balança.
Está há dez meses a gravar cenas da novela Laços de Sangue (SIC). Que balanço faz da sua participação no projecto?
Tem sido uma experiência excelente. Mas a minha personagem é a mais difícil que já fiz em telenovela. A Eunice tem-me consumido os dias e as noites.
Trata-se de uma interpretação muito absorvente, esgotante...
É complicado carregar uma personagem tão densa. Há dez meses que o faço e não tem sido nada fácil e há dias em que é mesmo doloroso. E os autores só escrevem: "Eunice chora, Eunice chora." Ai meu Deus! Se chego aos estúdios e tenho por lá cenas de choro... Chego a casa completamente desfeita. Sabe, este é um trabalho que sai muito cá de dentro e que não tem que ver com a técnica de um actor. É desgastante estar sempre a chorar.
Onde tem encontrado este choro, a dor interminável?
Para a fase em que a Eunice está, em catatonia, falei com um amigo meu que é psiquiatra para perceber o comportamento de pessoas que entram em estados de apatia. A Eunice é uma mulher muito traumatizada, muito sofrida... Tenho uma amiga a quem já aconteceram desgraças quase similares às da Eunice e ela é tão doce... A minha amiga é uma mulher tão sublime, ainda há pouco tempo perdeu uma das três filhas e conseguiu sublimar essa dor.
Mais de 30 anos depois de ter sido dirigida por José Fonseca e Costa no filme Kilas, o Mau da Fita, voltou a cruzar-se em Laços de Sangue com o cineasta, que participou na novela como actor e fez de seu pretendente...
Sim, foi engraçado. Ele é um amigo e é uma pessoa que conheço bem. Foi bom a produção ter-se lembrado dele, precisavam de um homem charmoso.
A Eunice Nogueira é muito ligada aos filhos. E a Lia Gama? É apegada à família?
Bom, eu não tenho nada que ver com a Eunice! Sou verdadeiramente o oposto, tenho uma energia... Tenho só um filho e também o criei sozinha. Fi-lo como muitas mulheres da minha geração.
Divorciou-se?
Sim. Quando referencio isso é porque gosto de dizer que os actores têm problemas como toda a gente.
Foi fácil ser mãe solteira?
O que posso dizer? Olhe, fi-lo da melhor forma. Foi tentar educá-lo segundo os princípios da Revolução Francesa: liberdade, igualdade, fraternidade (risos). Não sou excepcional em nada. Ser mãe foi a coisa mais importante que levei a cabo.
Mas também é avó...
O meu neto mais crescido é o António e tem 11 anos e o mais pequenino é o Santiago que tem 5. São muito queridos, muito doces.
Qual dos três é mais crítico quanto ao seu trabalho?
O meu filho João tem 38 anos e é muito crítico, sempre foi. Os meus netos ainda são pequenos, limitam-se a achar piada.
Todos espreitam a novela?
Não deviam, mas acompanham! Quando a Eunice teve um acidente o meu neto mais novo foi para a escola dizer: 'A minha avó teve um acidente.' Mas depois disse a rir: 'Mas foi na novela...' Chamam-me velhota. O meu filho diz: 'Não digas isso à avó!' E eu digo: 'Prefiro que ele me chame velhota do que gorda!' (gargalhadas)
Lida bem com o avançar da idade?
Sim, lido bem. Não tenho outro remédio. A única coisa que chateia é saber que o tempo para a frente já é curto. Todos nós temos de nos ir embora... Gostava de ver os meus netos mais crescidos e de os acompanhar... O único problema de se ter a idade que tenho é já não se poder fazer planos a longo prazo.
Porque...?
Quando era mais nova dizia: 'Eu tenho tempo!' Agora já não posso dizer isso. Não sei quanto tempo me resta, mas não será com certeza muito, até porque a minha família mais directa - mãe, pai e irmão - todos se foram embora cedo. E, por isso, começa a haver sempre essa presença...
Morreram por motivos de doença?
Todos com cancro. Mas não me faça falar disso, poupe-me! Isso é a minha vida privada. Eu também por cá não faço nada para o evitar e fumo que nem uma chaminé! Enquanto cá estou, estou. O que me entristece é que já não vale a pena fazer planos a longo prazo e, quiçá, nem a médio. A casa já está cheia. Já não posso levar mais objectos para casa, já está tudo muito cheio.
Mas ainda há pouco disse ser uma mulher "com uma energia"...
Sim, e sou! Tenho imensa energia. Falo do peso das coisas que me acompanham. Se fosse possível, só me apetecia depurar e depurar, e deitar fora para que quem cá fica não tenha a trabalheira de mexer em tudo.
Construiu a carreira com que sonhou?
Tenho tentado dignificar o trabalho do actor e a minha profissão. Fui uma valdevina, mas profissionalmente... até quando cantei em bares fui muito bem produzida.
Pensa retirar-se do activo?
Retirar-me? Mas para onde? Não tenho nenhuma casa no campo nem uma reforma de jeito, não tenho nada! Retirar-me para um lar de idosos? Não, muito obrigada. Prefiro morrer. (gargalhadas)
Prefere?
Espero que seja rápido. Não me imagino doente, debilitada e a dar trabalho a quem cá está, a sobrecarregar os filhos.
É a favor da eutanásia?
Sou, sou! Completamente. Eu não sou religiosa, acho que temos esse direito. Só espero que tenha capacidade de, no limite, arrumar o assunto. Não há direito de prolongar a vida de uma pessoa que não tem vida, que está imobilizada numa cama, com doenças terminais.
O que quer dizer com "arrumar o assunto"?
Cada um tem o direito de dispor da sua vida.Mas como sabe, em Portugal, a eutanásia ainda não é legal... Como não é consentida e não posso pedir a alguém 'elimina-me', ao menos que seja eu capaz de o fazer! (gargalhadas). Há pessoas que arranjam forças para lutar contra uma doença e pode até ser que isso me aconteça... Há pouco tempo descurei a minha saúde e assustei-me vivamente porque podia ter tido um AVC... Ficar dependente dos outros, a incapacidade aterroriza-me verdadeiramente. E é aí que, se tiver ainda capacidade para o fazer, prefiro desaparecer.
Porquê esse medo tão avassalador?
Sou uma mulher muito autónoma, muito independente e não conto muito com os outros. Aliás, não conto mesmo nada. Conto apenas e exclusivamente comigo. Nesta altura do campeonato são os outros que contam comigo. Mas eu também sou muito orgulhosa. Não faço SOS, sou incapaz. Só digo coisas aos amigos e às amigas quando estou bem. Para quê ir chatear? Para chorar no ombro dos outros? Não o faço. Hiberno, fecho-me em casa. Sou assim.
Quem é a Lia Gama?
A Lia Gama é a actriz. A Maria Isilda de Gama Gil é uma mistura de tanta coisa, tanta gente, de toda a minha origem. Sou o que sou. Olhe, sou assim...