Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

sicblogue

SIC e Renascença estreitam parceria na informação

sic rr

Parceiros em vários formatos de entretenimento, a SIC e o Grupo Renascença estreitam ainda mais os laços existentes.

Depois da Edição da Manhã ter passado a contar com duas ligações em direto à redação da Rádio Renascença (às 06h30 e 07h30) surge agora uma outra novidade. A rádio do grupo RCom vai passar a conter os destaques do Jornal da Noite na sua edição das noticias das 19h00 na antecipação daquilo que será apresentado às 20h00 no canal.

"Com esta iniciativa, a Renascença e a SIC aumentam a oferta possível para as respetivas audiências. Na Rádio e na TV, no carro ou em casa, a SIC e a Renascença estão mais presentes, mais próximas, em movimento, a par com o mundo" destaca Pedro Leal, diretor geral de produção da Renascença em comunicado divulgado esta quinta.

Já Pedro Cruz, subdiretor de informação da SIC realçou aquilo que poderá bem ser o slogan desta iniciativa: "Se estiver no carro ouça a Renascença, se estiver em casa veja a SIC". Para o responsável trata-se uma parceria onde "a qualidade da informação, em Rádio e TV, cruza-se todos os dias, nas duas antenas. É como se a magia da rádio entrasse na televisão, e a televisão tivesse presente na antena da rádio".

SIC Mulher junta-se à AEG com telemóvel exclusivo

Pela primeira vez na sua história, e na celebração do seu 10º aniversário, a SIC Mulher sai da televisão. Tal como já foi noticiado pelo SICBlogue, a SIC Mulher tem várias iniciativas agendadas para marcar o 10.º aniversário do canal.

Uma das iniciativas é a entrada no mundo das telecomunicações, criando um telemóvel exclusivo, em parceria com a AEG. ‘Ligamos o seu mundo,’ é o mote da campanha que lança agora este telemóvel totalmente pensado no público feminino.

Além da personalização SIC Mulher (embalagem, wallpapers e ringtones), este telemóvel conta ainda com um design elegante em branco, um teclado com apontamentos cor-de-rosa, uma pedra Swarovski Zirconia e um packaging verdadeiramente único que inclui uma caixa guarda-joias e uma bolsa para guardar o telemóvel. Para a SIC Mulher, esta parceria e este lançamento exclusivo, é mais uma ferramenta de personalização do canal, e aproximação a todas as mulheres SIC Mulher. As marcas juntam-se ainda à Phone House, que será ponto de venda exclusivo deste produto.

O produto será oficialmente lançado amanhã, dia 8 de março, pelas 12h00, na loja PhoneHouse do CascaisShopping. O AEG Glamour 2 está agora mais feminino, com a chancela SIC Mulher, e promete fazer todas as delícias das mulheres Portuguesas. O must have das mulheres portuguesas está finalmente disponível.

 

Principais características AEG Glamour 2:

  • Conteúdos exclusivos SIC Mulher
  • Dual SIM
  • GSM 900/1800/1900
  • Dimensões: 70x70x16,3mm
  • Ecrã TFT QVGA 2,4 polegadas com 262 mil cores
  • Câmara de 5MP
  • Teclado QWERTY completo
  • Slot cartões microSD (até 16GB)
  • WAP 2.0, GPRS (classe 12)
  • Wireless
  • Java
  • MMS 2.0
  • E-Mail SSL
  • Leitor de MP3, MP4 e rádio FM
  • Bluetooth 3.0
  • Facebook, Twitter incluídos
  • Bateria de iões de lítio 830mAh 

Produtora conjunta entre SIC, SP e TV Globo adiada

"Estamos a trabalhar desde o ano passado. Estamos ainda a dar passos, em estudos de modelo de negócio e de custos. Teremos desenvolvimentos em breve" garante ao Correio da Manhã Luís Marques, director-geral da SIC.

Contactada pelo CM, a Globo recusa-se a falar sobre o projecto e diz apenas que "prosseguirá com a parceria com a SIC e com as principais operadoras de televisão por assinatura no País", por considerar que "as parcerias com empresas portuguesas valorizam" a Língua Portuguesa. António Parente, administrador da SP Televisão, explica ao CM que o projecto "continua a ser falado" mas que "não tem tido evolução nos últimos meses, porque tudo tem sido complicado em Portugal", referindo-se à difícil conjuntura que o mercado audiovisual atravessa. Ainda assim, o responsável da SP acredita que este continua a ser "um objectivo das três empresas".

Recorde-se que a parceria, anunciada de forma oficial no final de Agosto de 2011, previa a divisão de lucros e custos de produção, entre Globo e SIC, no que ao mercado português diz respeito. Na altura, Luís Marques e Guilherme Bokel, director artístico de co-produção internacional do grupo brasileiro, anunciaram mesmo que o projecto estaria concluído "até ao final do ano". Até lá, a parceria com a Globo continua em co-produções como ‘Dancin’ Days’.

SIC e SOICO com parceria

Uma é SIC e outra é SOICO mas ambas as siglas querem dizer o mesmo: Sociedade Independente de Comunicação.
A televisão de Carnaxide e a televisão moçambicana celebraram hoje um protocolo de cooperação na sede do canal onde marcaram presença Francisco Pinto Balsemão, presidente do Conselho de Administração da SIC, e Daniel David, presidente da SOICO.
"Trabalhar para os moçambicanos" é a grande aposta da SOICO que vê nesta parceria uma "maior capacidade de se obter um know how maior", disse Daniel David.
Para o presidente do CA da SIC, o canal se "estiver interessado em produzir conteúdos da SOICO poderá acontecer".
Recorde-se que este é um protocolo a vigorar durante dois anos sendo que traduzir-se-á na pródução de conteúdos principalmente a nível da informação.

Luís Marques em entrevista

Director Geral no estúdio de Informação 
O director-geral da SIC acredita que a eventual privatização da RTP vai colocar em risco todo o sector dos media e admite que a SIC pode ter de repensar o seu modelo de negócio. Luís Marques reconhece que o plano do Governo tem boas intenções, mas não tem em atenção a realidade difícil em que vive o mercado. 
O futuro da SIC pode estar em risco? 
Bem, acho que o sector dos media está neste momento todo em risco. Ou seja, a sua sobrevivência está em risco. Estamos a viver uma forte queda do investimento publicitário e num cenário que se vai complicar muito com a eventual privatização da RTP. 
(...)
"Se a RTP quer bons apresentadores, tem de pagar o preço de mercado." 
Tem-se falado muito nos chamados ordenados milionários das estrelas da RTP. Ora, o Luís foi director-geral da RTP durante seis anos e, portanto, a renovação de muitos desses contratos passou por si. Qual a sua opinião? 
(risos) Vamos lá ver... esse é um tema delicado. 
Eu sei...
(pausa) É evidente que é fácil dizer que os ordenados dos principais apresentadores da RTP são altos. É um argumento fácil, mas é um bocadinho demagógico. Porque este mercado, como todos os mercados, funciona na base da oferta e da procura. Se as televisões querem ter bons comunicadores e bons apresentadores, têm de lhes pagar os preços de mercado. 
A questão não é essa. Ninguém questiona que a SIC ou a TVI paguem isso às suas estrelas. 
Em 2002 e 2003, quando eu próprio contratei a Catarina Furtado, que estava na SIC na altura, o valor que lhe oferecemos era o valor próprio do mercado, era sensivelmente o que ela ganhava aqui. Há um mercado que define o preço destes profissionais e é esse o mercado que acaba por decidir. 
(...)
Mas quando se fala de um canal não residual pressupõe que os quer continuar a ter... 
Pois, tem de ter bons apresentadores. E tem de pagar por isso, embora isso depois resulte da capacidade negocial da RTP. 
A intenção do Governo é nivelar os ordenados dos gestores das empresas públicas pelo do Presidente da República. O que fará os ordenados dos quadros das empresas públicas estabilizarem abaixo desse valor de referência. Isso não fará que muitos profissionais da RTP sejam pagos muito abaixo do valor do mercado? 
Se isso for assim, se se confirmar essa intenção, sim, é verdade. Mas isso depende também da capacidade negocial da RTP com os seus profissionais. E até, admitamos, que haja profissionais que não aceitem essa negociação. Acha? Com o País no estado em que está, com a crise nas empresas, não me parece que a SIC e a TVI tenham capacidade ou vontade de aproveitar a época de saldos na RTP. Sim, os tempos que aí vêm serão muito difíceis. Vão ser anos de forte pressão para baixar cachets e valores de produção na televisão. 
Essa será uma preocupação também na SIC? 
Claro, mas acho que vai ser em todo o lado. Há uma enorme quebra de receitas. O mercado este ano deverá cair cerca de 15%. É evidente que temos de cortar custos e, quando se cortam custos, tem de se cortar todos. 
Mas nestes casos mais badalados, estamos a falar não de quadros das empresas, mas de estrelas contratadas, ou pelas produtoras ou pelas próprias estações, para determinados projectos... 
Sim, mas esses também vão ter de baixar. Mas nos quadros é mais difícil, claro. Nós na SIC, no início deste ano, reduzimos o ordenado de todos os quadros em 10%. E todos aceitaram, salvo uma ou duas excepções. 

Luís Marques e Francisco Pinto Balsemão
"Não está prevista mais austeridade na SIC." 
E perante o novo quadro de austeridade que foi anunciado, é possível que tenham de ser tomadas novas medidas? 
(pausa) Em tese pode acontecer. Estamos a tentar que isso não seja necessário, mas em tese pode acontecer. Não está em cima da mesa? Na SIC não. E um novo plano de rescisões amigáveis? Não. Nós concluímos recentemente um processo de ajustamento em que saíram cerca de 20 pessoas por rescisão por mútuo acordo. Neste momento temos uma situação estável e não prevejo um novo processo dessa natureza. Já temos o orçamento para 2012 pronto e não temos qualquer verba que resulte de nova redução de quadros. Agora, é evidente que, se as piores previsões se confirmarem em relação às decisões políticas para a RTP, todos os operadores vão ter de repensar o seu modelo de negócios.
Portanto, nem despedimentos nem redução de ordenados nem supressão de subsídios de férias e de Natal? 
Nada disso está previsto. 
A SIC continua a ser uma empresa onde vale a pena trabalhar? 
Acho que sim, é uma empresa onde dá gosto trabalhar, que tem um ADN único. Passou por muitas dificuldades, sobretudo nos últimos anos, mas acho que estamos melhor, até do ponto de vista da nossa auto-estima. Nos últimos três anos temos vindo sustentadamente a ganhar dinheiro e a apresentar resultados em linha do que nos foi pedido pelos accionistas... 
... mas é mais dinheiro que não permite investir mais na programação, porque tem de fazer face à quebra do investimento publicitário. 
Nós temos estado a obter bons resultados, apesar dessa quebra. Ainda na semana passada apresentámos as contas do grupo e os resultados da SIC no trimestre são bons. São mesmo bastante bons. Aumentámos o nosso resultado operacional cerca de 400% em relação ao ano passado. Mas, para que isso acontecesse, tivemos de cortar os custos num valor superior à queda das receitas. E vamos continuar. 
E isso significa que não há muita margem para investir? 
Sim, é óbvio, sobretudo porque as expectativas do investimento publicitário para o próximo ano também não são agradáveis. O foco, infelizmente, está muito centrado no controlo dos custos. 

"SIC tem sido a menos penalizada." 
É possível conciliar a prioridade no controlo dos custos e mesmo assim almejar a liderança das audiências? 
(pausa) É difícil, como é evidente, não vale a pena negar. Toda a gente sabe que fazer televisão é caro. Os programas são caros, os direitos são caros, a produção é cara. Obviamente, nestas circunstâncias, é mais difícil obter a liderança. Mas para nós é muito reconfortante que nos últimos anos nos tenhamos aproximado do nosso concorrente directo. 
Mas, sejamos francos, é mais por descida da TVI do que por subida da SIC. 
A realidade hoje é muito mais complexa e o que é certo é que a SIC, mesmo com o cenário da nova medição de audiências, tem sido a menos penalizada. Em Julho, por exemplo, ficámos muito perto da TVI e no prime time ficámos mesmo à frente. 
Luís Marques e o actor Rogério Samora
À custa de um forte investimento na ficção, que obrigou a SIC a contratar em exclusividade uma série de actores que estavam a trabalhar com a TVI. 
Claro, mas isso é também o mérito da forma como temos vindo a trabalhar. No passado, a SIC não tinha uma estratégia consistente na ficção. Fazia agora uma novela, depois parava, depois voltava a fazer. Desde que entrei temos, de uma forma consistente e sempre a melhorar, feito uma aposta na ficção nacional e ainda por cima diferenciadora da da nossa concorrência. Criámos condições para ter a oferta em linha de, pelo menos, uma novela portuguesa. 
Quanto é que custa à SIC o contrato com a Globo? 
(pausa) Não gostaria de estar a dizer números, até porque isso está nos termos da nossa relação contratual com a Globo. O que posso dizer é que nos últimos dois anos conseguimos com uma extraordinária colaboração com a Globo, que muito nos apraz registar e que quase nos comove, reduzir bastante o nível de compromisso que tínhamos com eles.
O negócio continua a compensar? 
Sim, claro. A relação preço/retorno continua a compensar. 
Até porque o preço em grelha é muito mais baixo que o de uma novela portuguesa... 
Sim, em alguns casos até metade do que gastaríamos se tivéssemos lá um outro produto. 
Mas, neste contexto de dificuldades, é difícil à SIC conseguir criar habituação em relação às novelas portuguesas. Só com uma novela portuguesa em horário nobre é difícil. 
Sim, é, não vou negar (risos). O ideal era termos duas novelas portuguesas à hora do jantar, mas não vamos poder fazer. Por razões orçamentais, claro. Mas já agora, os resultados de Laços de Sangue a competir com três novelas foram extraordinários. Significa que há espaço para criar uma nova ficção alternativa, com uma nova estética, com uma nova forma de escrita. 

"A Globo é importante para a SIC." 
O que a SIC tem a lucrar com a Globo é o que tem em cima da mesa ou é possível esperar mais? A Globo já disse que não está disponível para reforçar a sua participação na SIC, o que resolveria um problema de liquidez. Tem pena? 
(pausa) Bom, esse é um problema que está ao nível dos accionistas. O dr. Balsemão já disse que não houve conversas nem negociações. Para a SIC será importante um maior envolvimento da Globo na nossa produção. Iremos iniciar a negociação em breve para a extensão dessa parceria. Há vontade de ambas as partes para trabalharmos numa nova parceria. Não tenho dúvidas de que para a SIC isso será muito útil, mas também para a Globo, tendo em conta que eles têm uma estratégia de internacionalização que passa por Portugal. 
Através da tal produtora a criar entre a SIC e a Globo, com recurso à SP? 
Sim, uma das hipóteses em cima da mesa é essa. Há cerca de um ano eu e o dr. Pedro Norton tivemos uma reunião em São Paulo para começar a trabalhar no projecto de uma produtora SIC Globo em Portugal. Esse projecto tem vindo a ser trabalhado, é lento e implica várias variáveis e em breve teremos uma decisão. É possível e desejável. 

"Teresa Guilherme errou nas previsões." 
Muito bem, mudemos de assunto. Faço-lhe uma provocação (risos)... 
(risos) Diga... 
O sucesso de Casa dos Segredos e de Teresa Guilherme é uma espinha cravada na sua garganta?
(pausa) Não, de todo. Não tenho nenhum problema a esse nível com a Teresa Guilherme. Porque é que havia de ter? Era previsível que Casa dos Segredos corresse bem, era para mim claro que isso ia acontecer. A nível de casting houve uma grande preocupação com esta edição. 
Mas o fenómeno Teresa não é importante para este resultado? 
Não tenho dúvidas sobre isso. 
Teresa Guilherme não cabia na SIC? 
Aquilo que eu tinha a dizer sobre a Teresa Guilherme e sobre as relações que ela teve com a SIC, está dito. Não retiro, mas também não acrescento nada ao que já disse. Para mim é passado. E não quero voltar a falar desse assunto. 
Mas não gostou seguramente de ler uma entrevista que Teresa Guilherme deu há dois anos em que dizia que Luís Marques era o coveiro da SIC. 
(pausa) Não, é evidente que não gostei. Há quem diga que a Teresa Guilherme gosta de esoterismo, de tarot e desse tipo de coisas, mas, pelos vistos, desta vez falhou. Ela disse isso em 2008 ou 2009 e desde então para cá a SIC melhorou, não piorou. A SIC não está com os pés para a cova. Portanto, Teresa errou nas previsões. 
Passaram seis meses desde que se estreou o Querida Júlia, mas a SIC continua com óbvias dificuldades na manhã. O que é preciso mudar para a SIC começar a morder os calcanhares à TVI? 
A Júlia Pinheiro tem feito algumas mudanças no programa e os resultados estão mais ou menos em linha com o que nós esperávamos. Ela está a combater no horário mais difícil em Portugal, tendo em conta que as manhãs têm há muito uma oferta estabilizada, quer na RTP quer na TVI. Estou convencido que ela, pouco a pouco, vai ganhando públicos e audiências. 
Luís Marques no dia do regresso de Júlia à SIC
Há quem diga que a SIC só resolverá o problema das manhãs quando contratar Goucha ou Cristina Ferreira. Ou os dois. É pura má-língua? 
(risos)... 
... que, aliás, é um sonho antigo da SIC. 
Ai é? (risos). 
Parece que sim. Há não muito tempo, a SIC sondou Goucha e convidou Cristina Ferreira. 
(risos) Sabe mais do que eu. 
Não sei, não. Isso já foi assumido por ambas as partes. 
Não lhe posso confirmar isso. Conversas não são propriamente convites (risos). 
OK, portanto, acha que é possível derrotar as manhãs da TVI com Manuel Luís Goucha e Cristina Ferreira lá? 
Acho. Vamos lá ver, é evidente que não é fácil, e isso é mérito deles (...). Vai demorar tempo, mas a Júlia tem a experiência, o conhecimento e o talento para, pouco a pouco, se aproximar. É preciso repensar o day time 
O modelo de day time das televisões generalistas, assente em talkshows populares e novelas, ainda faz sentido, ou chegará o tempo em que será preciso reinventar esse conceito? 
É uma boa pergunta. Acho que isso vai acontecer um dia, não sei bem quando. Mas, tendo em conta o tipo de público que está disponível para ver televisão a essas horas, estes programas são os ajustados. Além disso, este tipo de programas tem um potencial de receitas difícil de igualar. 
Mas a televisão generalista não está perante um desafio, uma encruzilhada, que vai ter de enfrentar, mais ano menos ano? Esta subida do cabo não é só consequência de novos critérios de medição, reflecte também novas formas de consumo e, provavelmente, o princípio de uma mudança de paradigma. 
Sim, concordo com essa análise, mas há uma questão importante quando se fala do cabo. Estamos a falar de que cabo? Se eu agora decidisse competir com o cabo, ia competir com que parte do cabo? O problema é que as audiências do cabo é o somatório de muitos conteúdos diferentes. Mas não estamos a falar do Caça e Pesca ou da Regiões TV, estamos a falar das Fox, dos AXN... (risos) Sim, é verdade, mas lá está, se eu fosse competir com a Fox, tinha de ter ficção. Os custos com ficção em Portugal tornavam completamente inviável essa competição, porque a Fox tem um canal que, emitindo a produção original norte-americana, chega aqui muito mais barata. 

Director Geral na inauguração dos novos estúdios
"A TDT é um equívoco." 
A TDT em Portugal é um flop? 
Não sei se é um flop, mas um equívoco é, com toda a certeza. Na medida em que os pressupostos em que a TDT foi lançada, como uma solução que juntava os canais tradicionais e uma série de novos canais temáticos, já estão alterados, porque o concurso foi anulado. O que significa que a TDT terá apenas os canais que já existem. Ora, isto é um absurdo. 
Isso era relativamente expectável, até porque nos países onde há um cabo forte a TDT tem essa dificuldade. 
Sim, é verdade. Portugal chegou tarde ao TDT, definiu mal o caderno de encargos, o que faz que os operadores fiquem com esta limitação: têm uma plataforma de distribuição por via hertziana com potencial enorme, mas que vai estar limitada àquilo que já existe. É um absurdo. Na prática, só compensa ter TDT quem não tem televisão por subscrição. Com uma agravante, com a largura de banda que o sistema vai ter nem será possível ter canais em alta definição, o que é ainda mais absurdo. Numa altura em que a televisão está a caminhar toda para a alta definição, nós vamos continuar a oferecer televisão tradicional.
NTV

TV Globo não quer entrar no capital da SIC

A Globo inaugurou esta segunda-feira a sede europeia da TV Globo em Lisboa. A cadeia de televisão brasileira desmentiu os rumores que avançavam com a possibilidade de entrar no capital da SIC, adiantando apenas que vai produzir conteúdos em Portugal. 
A inauguração da sede europeia da TV Globo decorreu esta tarde no novo espaço localizado na Avenida Fontes Pereira de Melo, em Lisboa. Nos dias que antecederam a inauguração, circulavam notícias que davam conta da existência de contactos entre Pinto Balsemão e responsáveis brasileiros para a entrada da Globo no capital da SIC, algo que foi recusado pelos responsáveis da rede de televisão brasileira. 
O director da Globo, Octávio Florisbal, vincou que a estação não está interessada em tal abordagem. «Os nossos accionistas decidiram que o nosso foco está em produzir conteúdos de qualidade», explicou, antes de acrescentar: «Não temos, do ponto de vista estratégico, nenhum objectivo de sermos distribuidores de conteúdos». Apesar de desmentirem a entrada no capital da estação de Pinto Balsemão, os responsáveis da Globo não colocaram de parte eventuais parcerias em termos de produção de conteúdos, algo que o director de negócios, Ricardo Scalamandré, deixou transparecer. 
 «Estamos namorando. Como, e quando vamos casar, leva o seu tempo», sublinhou. Em 1994, a Globo assinou com a SIC um contrato de exclusividade e, em 2010, as estações co-produziram a novela Laços de Sangue, nomeada este ano para um Emmy, na categoria de Melhor Novela. Em Portugal, existem cerca de 40 mil subscritores do canal pago da Globo e, em Angola, o número aumenta para 220 mil. A nova sede europeia vai empregar 12 pessoas, sendo oito delas portuguesas.

Dancin' Days vem aí e SIC renova até 2014 com a Globo

Um 'remake' da telenovela dos anos 1970 "Dancin' Days" é a segunda co-produção entre a SIC e a TV Globo e deverá estrear no final do primeiro trimestre de 2012, informaram hoje os responsáveis das empresas. Produzida pela SP Televisão, "Dancin' Days" quer elevar o sucesso de audiências e de envolvência com a audiência que tem sido "Laços de Sangue", que "superou as melhores expectativas" da SIC, revelou o director-geral da estação, Luís Marques. "Dancin' Days", da autoria de Gilberto Braga, foi produzida pela primeira em 1978 e tinha como protagonistas Sónia Braga e António Fagundes. A nova versão estreará no final do primeiro trimestre de 2012 de Joana Santos, a vilã de "Laços de Sangue" que deverá ser, uma vez mais, a má da fita.
O responsável, acompanhado de profissionais da TV Globo e da SP Televisão, apresentou hoje "Dancin' Days" aos jornalistas. A telenovela, diz Raphael Corrêa, director de vendas internacionais da TV Globo, pretende ser um "produto de qualidade e excelência" que potencie "talento português". Luís Marques realçou que o orçamento para a produção "não será maior" do que o normal, até devido à contenção de custos actual, devendo situar-se "entre os seis, sete, oito milhões de euros", consoante o número de episódios, que ainda não está definido. Hoje foi também anunciada a renovação até 2014 do acordo de exclusividade entre a SIC e a TV Globo, que permite a exibição em Portugal de novelas e mini séries produzidas pela empresa brasileira. Após "Laços de Sangue" a SIC vai emitir "Rosa Fogo".
DN

SIC e Globo fecham acordo amanhã (por Nuno Azinheira)

A viagem da Globo a Portugal, marcada para amanhã, pode significar mais uma etapa na histórica relação entre a empresa brasileira e a SIC. Em 1992, quando foi criada, a estação brasileira tinha um apoio efectivo da família Marinho. Era uma relação emocional, mas era negócio. Depois da morte de Roberto Marinho, perdeu-se o afecto, e o negócio conheceu algum afastamento.
A comitiva da Globo estará amanhã em Lisboa para apresentar com a SIC a nova parceria na ficção, que passa pela produção de um remake português do sucesso brasileiro Dancing Days. Mas não só. SIC e Globo, de acordo com informações da própria empresa, preparam-se para oficializar este namoro na ficção e criar uma produtora de capital misto, com o know how da Globo e o saber-fazer que a SP, nos últimos anos, aprendeu.
A ideia é boa e é a garantia de que a SIC quer mesmo roubar o protagonismo da ficção à TVI. Com a Globo definitivamente ao seu lado, a estação de Carnaxide ganha poder de fogo no ataque à Plural e os actores exclusivos do canal líder de audiências.
Mas neste xadrez difícil, em que a crise ameaça a competitividade das empresas portuguesas, a reaproximação da Globo à SIC pode ser a melhor solução para Balsemão.
Com o mercado publicitário completamente seco, com a perspectiva da privatização da RTP, para qual o Governo ainda ontem apontou de forma clara, com o estrangulamento financeiro que se adivinha, com Balsemão a insistir na recusa de partilhar poder com a Ongoing de Luís Vasconcellos, a Globo pode vir a constituir-se como a salvação definitiva de um grupo que é uma referência em Portugal.
Seria, em certa medida, um regresso às origens. Talvez já não emocional, mas seguramente estratégico.
DN